Como lidar com as frustrações?


Perdemos muito tempo procurando culpados para nossos fracassos

Estamos nos aproximando de mais um final de ano. Época de balanços, avaliações, definições de metas. Mesmo aqueles que não costumam separar um tempo específico para fazer uma avaliação de como viveram o ano, tendem a, de uma forma ou de outra, fazer esta avaliação, olhar para trás, ver o que foi feito e o que deixaram de fazer.


Ao fazer isso, muitas vezes, surgem sentimentos de decepção, de desânimo e até mesmo de frustração ao percebermos que, das coisas que planejamos, nem tudo conseguimos atingir.

E assim vamos vivendo ano após ano: fazemos metas, planos para o ano que se inicia e, na maioria das vezes, pouco conseguimos. O que fazer então? Devemos traçar metas e planos para o ano novo que se aproxima? Sim, precisamos traçá-los, pois é necessário que tenhamos uma direção a seguir, mas nossas metas e planos não podem ser rígidos, precisam ter flexibilidade, pois dificilmente as coisas acontecem no momento exato da nossa vontade, do jeito exato que planejamos; por isso, temos que estar sempre prontos para revê-los e refazê-los.

Não podemos nos esquecer de que todos nós estamos sujeitos a enfrentar pequenas ou grandes derrotas no dia a dia. Contudo, o maior problema é que a maioria de nós não está preparada para lidar com as frustrações.

É verdade que muitas vezes o fracasso de uma situação não está relacionado diretamente a algum erro nosso. Isso porque existem muitas coisas que não dependem de nós. Muitas vezes, colocamos toda a nossa expectativa em uma pessoa, por exemplo, e esquecemos que todo o ser humano é falho, comete erros, exatamente como nós. Quanto maior a expectativa, tanto maior será o sentimento de fracasso. Outras vezes, ao fazermos os nossos planos e metas, não fazemos uma avaliação adequada, isto é, não consideramos os nossos limites ou os imprevistos que podem surgir e servir de barreiras.

E o pior é que muitas vezes agimos como vítimas ou como injustiçados e, com isso, perdemos grandes oportunidades de crescimento pessoal. Essas duas atitudes [agir como vítimas ou injustiçados] nos paralisam, minam a nossa motivação, nos amarguram e não trazem nenhum tipo de “ganho” positivo. Perdemos muita energia procurando culpados para os nossos fracassos ou remoendo os fatos. Em vez disso, o que precisamos fazer é refletir, avaliar o que deu errado para que seja possível corrigir os possíveis erros futuros e refazer os nossos planos. Também é importante ter sempre uma disposição interior para aprendermos com as lições e modificarmos as atitudes que precisam ser mudadas, vendo sempre nas situações negativas oportunidades para crescimento pessoal.

Então, para que você possa traçar seus planos e metas para 2010, deixamos as seguintes dicas:

1. Verifique se eles são realistas, ou seja, se são possíveis.

2. Escolha poucas metas, pois quando nos enchemos de planos, nossa energia fica “dividida” e teremos dificuldades para alcançá-las.

3. Tenha sempre flexibilidade para refazer os seus planos diante dos imprevistos.

4. Diante dos fracassos, não se esqueça de que toda situação tem sempre o seu lado positivo e negativo. Então é necessário buscar o lado positivo dos fatos para tirarmos dele o melhor proveito. E com o lado negativo, aprender com ele, corrigir a rota, mudar atitudes.

5. Não se deixe levar pela emoção e pelo sentimento de incapacidade quando você deparar com um fracasso. Procure reconhecer o que você está sentindo, e use as suas emoções de forma positiva. O controle emocional é algo que precisamos desenvolver, pois, sem ele, ficamos à merce de nossas emoções e daí derivam a amargura, a tristeza e até mesmo a depressão.

Um grande abraço a todos e fiquem com Deus!

J@que C@mpos =D

Nenhum comentário:

 
©2009 Elke di Barros Por Templates e Acessorios