A história de uma esposa - Testemunho Blog D.Cristiane Cardoso‏

Se você é como eu, você olha para as esposas de pastores e logo se pergunta ‘quem é essa mulher tão abençoada?’

Aqui vai a história de uma das minhas amigas da Obra. A Ana Paula é casada com o bispo Rui, que atualmente é responsável pelo trabalho evangelístico no Canadá.

Aos 6 anos eu comecei a sentir algo estranho ao meu de redor, uma voz que me chamava. A minha mãe tentou de tudo comigo. Me levou a várias pessoas que diziam ter a solução para esse tipo de problema... que nada... cada dia que passava, eu ficava pior. Eu cresci com aquela tristeza dentro de mim, não tinha vontade de estudar, nem de trabalhar até que um dia, conheci o tal “PRÍNCIPE ENCANTADO”.
Até então eu era uma moça bem reservada. Eu queria me guardar para o meu casamento e foi isso que aconteceu. Casei após 6 meses de namoro. Tive o casamento que toda a mulher sonha, me senti a mulher mais sortuda do mundo até que aquele rapaz charmoso e apaixonado por mim mostrou-me o seu outro lado.
Por eu não ter sido orientada antes do casamento, tudo que me acontecia de ruim, achava ser normal. O meu novo marido já aprontou logo na nossa lua de mel, levando a sua mãe para viajar conosco. Fomos morar com ela. Discutíamos direto. Em um mês de casados, ele já queria que eu engravidasse... Eu discordava e nisso ele me ameaçava que iria sair com outras mulheres.
Para piorar, a minha sogra jogou praga em nós dois. Disse que haveria inimizade entre meu marido e meus pais, e não deu outra. Ele me proibiu de ver a minha família. Eu me sentia só, sem poder falar com os meus pais, sem ninguém para me ajudar... Enquanto isso, ele me humilhava, me estuprava, me xingava, me mandava para a rua.
A minha sogra me odiava. Ela vivia me controlando, ao ponto de gravar as minhas conversas no telefone! Eu me sentia como se tivesse louca. Um dia não deu para aguentar mais as humilhações dele e voltei para a casa dos meus pais, apenas com 3 meses de casada. Me divorciei e não tive mais contato com o meu ex-marido. Fiquei sabendo depois que ele saía tanto com homens como com mulheres...
Me tornei uma mulher desesperada, sem vontade de viver, com a mesma voz que me atribulava desde criança me dizendo que não conseguiria viver sem. ‘Mata-te! Lança-te debaixo do trem!’ era o que eu ouvia todos os dias.
A solidão, depressão, e os vultos me levaram a ter duas personalidades. De dia eu era uma pessoa e de noite outra. Comecei a ir para discotecas, sair com várias pessoas, a minha mente estava totalmente possessa. Tudo o que a voz me mandava fazer, eu obedecia. Eu me deixava ser usada tanto pela voz quanto pelas pessoas nos bailes... Eu queria me destruir o mais rápido possível.
Um dia á noite ouvi um testemunho de uma pessoa que tinha sido curada de um problema no peito, no programa de rádio da IURD. A minha mãe tinha o mesmo problema e a recomendei para ir a Igreja, ela foi, embora eu não queria ir, pois falava que isso não era para mim, mas um dia ela conseguiu me levar.
Quando entrei, na mesma hora senti vontade de sair correndo daquele lugar. A oração começou e não me recordo de mais nada. A partir daí, comecei ir toda semana e o mesmo acontecia comigo. Quando saía da igreja me sentia melhor. Foram meses me libertando, até que chegou um dia que eu passei tão mal na oração que vomitei cabelos, terra, sangue, e ervas. Fiquei transformada, eu parecia um bicho. Todo esse processo levou como 6 meses.
Eu não entendia porque não conseguia me libertar, até que Deus me mostrou que eu ainda deixava o passado me amarrar, pois pensava muito no que havia acontecido comigo naquele casamento infernal que vivi, e como destruí todos os meus planos para o futuro por causa dele... Assim que deixei o meu passado no passado, começei a mudar. Com fé e perseverança me libertei de todo o mal, depressão, medo, e vultos. Me tornei uma nova pessoa. Dentro de mim nasceu um desejo de levar esse Deus vivo ás pessoas que também estavam sofrendo como eu.
O meu atual marido, um obreiro na época, me ajudou e aconselhou... E acabou se apaixonando por mim. Começamos a namorar e em poucos meses, nos casamos. Já tínhamos o desejo de servir a Deus no altar e foi isso que aconteceu, casamos e fomos logo chamado e transferido para fora do país. Temos trabalhado aqui na América do Norte desde então, a 16 anos!’ Ana Paula Morais


Quando pensamos que o passado é muito ruim para um futuro melhor, impedimos a Deus de agir.


- Dna. Cristiane Cardoso

Nenhum comentário:

 
©2009 Elke di Barros Por Templates e Acessorios